Colunista testa sistema operacional, que deve chegar às lojas neste ano.
Confira as mudanças, vantagens e desvantagens da novidade.

Fernando Panissi* Especial para o G1

A Microsoft acertou a mão no Windows XP, que é o sistema operacional mais usado do mercado e com maior índice de aceitação. Questões importantes de segurança sempre perseguiram o sistema, entretanto a facilidade de uso e a estabilidade o colocaram em lugar de destaque. Seu sucessor, o Windows Vista não obteve o mesmo êxito: não caiu no gosto dos usuários ou das empresas. A empresa agora aposta suas fichas no Windows 7, sistema operacional que recentemente saiu da fase release candidate (versão candidata a final, que serve para usuários avançados e técnicos testarem, apontando falhas e pontos de melhoria) e está praticamente pronto para o lançamento no mercado.
Um dos grandes calcanhares de Aquiles do Windows Vista era o desempenho em computadores menos potentes, pois requer processadores de ponta e um bom volume de memória RAM, pelo menos 1GB. Ele é muito oneroso para computadores mais limitados e completamente inviáveis para os populares netbooks (notebooks ultraportáteis). Por isso um dos pré-requisitos do Windows 7 é ser mais leve e, portanto, rodar até em netbooks.

Foto: Reprodução

Windows 7 tem interface parecida com a de seu antecessor, o Windows Vista, mas apresenta melhores recursos visuais. O papel de parede muda de tempos em tempos. (Foto: Reprodução )

Testes

Eu testei a versão Entreprise, que tem todas as funcionalidades da versão completa e foi liberada para que as pessoas possam experimentar o sistema por 90 dias. É possível baixar esta versão acessando este link. Seu desempenho foi satisfatório para uso de internet (navegação, comunicadores, transferência de arquivos e acesso a conteúdos multimídia como áudio, vídeo e animações), além de aplicativos para escritório, como os programas Word, Excel e PowerPoint.
Esses testes foram executados em dois computadores. O primeiro com processador AMD de 1,8 GHz, 512 MB de memória RAM, processador Intel Dual Core com 2,4 GHz e 2 GB de memória. O segundo, com processador Intel Quad Core de 2,8 GHz com 4 GB de RAM. Dei mais atenção ao computador mais limitado, para descobrir se a promessa da Microsoft em criar um sistema leve para computadores mais modestos era verdade.
No caso do notebook com Intel Centrino Dual Core, tive evidências de forma mais enfática da melhora no desempenho. O tempo de abertura dos aplicativos foi reduzido em média 40% e a experiência de uso (sensação de agilidade durante o uso dos aplicativos) é melhor no novo sistema. Essa melhora de desempenho se deve, em partes, à redução no número de aplicativos e serviços que são iniciados de forma automática. O sistema utiliza menos recursos e, por conseqüência, gera a sensação de maior velocidade para o usuário.

Recursos visuais

Sempre que surge um novo aplicativo ou sistema, muitos se preocupam em saber como está sua aparência. O Windows 7 traz mudanças sutis em relação a seu antecessor. Uma característica marcante do Vista foram os ícones grandes e bem trabalhados/detalhados.

Foto: Reprodução

Os ícones podem ser configurados de forma a ficarem enormes. O tamanho exibido na imagem ainda não é o maior possível e, mesmo assim, eles não perdem qualidade. Ideal para usar em dispositivos touchscreen, ou sensíveis ao toque. (Foto: Reprodução )

Isso fica mais evidente no 7 com a barra do iniciar mais grossa e com uma organização um pouco diferente. A inicialização rápida – aqueles atalhos que ficam ao lado do botão iniciar – teve sensível aprimoramento de funcionalidade. Os aplicativos ali dispostos efetivamente se iniciam mais rapidamente.
Existem mudanças também no menu de contexto, que é apresentado quando clicamos com o botão direito do mouse sobre um atalho. Ele sempre foi genérico, e ganhou uma nova finalidade no Windows 7. Ele está contextualizado com o aplicativo. Por exemplo no Internet Explorer que, ao clicar com o botão direito do mouse, mostra uma lista das últimas paginas acessadas, ou mesmo o Windows Media Player que mostra as ultimas músicas ou filmes vistos no PC.
A vantagem deste recurso é reduzir a quantidade de cliques para, por exemplo, abrir um documento fechado recentemente do Word. Basta clicar com o botão direito do mouse no ícone do Word da barra de inicialização rápida e selecionar o documento na lista.

Foto: Reprodução

Ao parar o mouse sobre um grupo de programas minimizados, o sistema mostra miniaturas reais dos aplicativos. Na imagem são três Windows Explorer abertos. (Foto: Reprodução )

Interessante também é o que ocorre ao minimizar diversas janelas de um mesmo aplicativo. O sistema as agrupa e, ao passar o mouse sobre o grupo, miniaturas do conteúdo de cada janela são exibidas.
Visualmente também existe uma diferença simples, mas com bastante impacto. Quase não existe diferença visual entre os programas minimizados e a barra de inicialização rápida. Isso traz uma sensação ao usuário – pelo menos foi o que aconteceu comigo – de que os programas de inicialização rápida já estão em execução e minimizados.

Foto: Reprodução/About.com

Repare no contorno das janelas. Para ativar o recurso, basta clicar em um pequeno ícone a direita do relógio. (Foto: Reprodução/About.com )

O Aero, que gerou bastante impacto no Vista, ganhou novidades interessantes. A primeira delas chama-se Aero Peek, um recurso que deixa transparente as janelas abertas para que o usuário veja a área de trabalho sem ter de minimizar nada. Outro recurso é o Aero Shake, que deixa visível apenas a janela em uso, caso você “agite-a” na tela. As demais telas são automaticamente minimizadas. Agitando-a novamente, as telas voltam. A tecla atalho para o recurso é Windows + Home.
Outro recurso que preza para organização e agilidade na utilização das janelas é o de Ajustar as telas. Ele funciona assim: aproximando uma janela de um dos cantos do monitor, o sistema a ajusta – em largura e altura – automaticamente. Fazendo essa tarefa com diversas janelas, cria-se um mosaico organizado na tela com todas as janelas em tamanhos visíveis.
O uso do recurso pode ser feito via teclado, em qualquer janela. A combinação tecla do Windows + Seta para direita ou esquerda fixa a tela num dos cantos, algo bastante útil para manter janelas lado a lado. Além disso, utilize Tecla do Windows + Seta para cima para maximizar e Tecla do Windows + Seta para baixo para minimizar.
Já em relação aos Temas, o Windows 7 está bem servido. São diversos deles, com esquemas de cores disponíveis. Também há um recurso bem interessante que possibilita a troca automática do papel de parede.

Foto: Reprodução

Troca do papel de parede é feita automaticamente, sem a intervenção do usuário. (Foto: Reprodução )

Aplicativos novos

Os famosos post its, muito usados para organizar (ou bagunçar!) a área de trabalho terão uma ferramenta nativa no Windows 7. Os usuários de Tablet PC, inclusive, poderão fazer notas manuscritas direto nas etiquetas, com o uso da caneta especial para a tela sensível ao toque do Tablet.
O print screen ganhou um aplicativo próprio que permite diversas formas de captura de tela, como tela inteira, partes da tela ou áreas desenhadas — delimitadas — com o mouse.

Foto: Reprodução

Ferramenta de copiar a tela: o Windows conta agora com esse tipo de recurso de forma mais eficiente. (Foto: Reprodução )

O tradicional Paint também foi turbinado com novas ferramentas e a sua interface, aprimorada. Ganhou novos menus e ferramentas que se parecem com o Office 2007. Ainda não dá, no entanto, para comparar o novo Paint com ferramentas como o Paint.net, gratuito, que tem diversas funcionalidades interessantes para a edição de imagens. Se o intuito é editar imagens, esqueça o Paint (ele se limita a abrir, aumentar e reduzir imagens, cortar partes, escrever textos sobre fotos e desenhar formas simples).

Foto: Reprodução

O Paint está mais bonito, mas ainda é bem limitado. (Foto: Reprodução )

O WordPad também foi aditivado, recebendo uma novo visual, mais parecido com o Word 2007. Os usuários que não tiverem o MS Office instalado e não optarem pelo OpenOffice poderão se virar bem com este novo WordPad.
A calculadora, também repaginada, ganhou dois novos modos: Programador e Estatístico. O modo programador faz cálculos binários e tem opções de álgebra booleana (se você não entendeu nada, não se assuste: esta opção é voltada para profissionais de tecnologia). A opção de estatística tem funções de calculo básicos. Ela não substitui a tradicional HP12C para cálculos estatístico e financeiro, mas é uma boa opção no PC. Por fim, a calculadora também ganhou um recurso de conversão de unidades, por exemplo, de pés para metros.

Foto: Reprodução

Calculadora com novos módulos para programadores e estatísticos. (Foto: Reprodução )

O Windows Explorer recebeu também alguma atenção. No Windows Vista ele ficou estranho: quando se manipulava os modos de visualização e ordenação dos arquivos em uma pasta, havia problemas na hora de exibir as imagens corretas no thumbnail. Isso não ocorre no Windows 7. Visualmente, ficou mais organizado e os ícones mostram em detalhes as miniaturas independente da ação do usuário.
Um novo botão adicionado à interface permite dividir a tela em três áreas. A primeira explora o computador, favoritos, rede e etc. A intermediária lista as pastas e arquivos do PC. Clicando sobre um arquivo, o terceiro painel gera uma pré-visualização do arquivo, evitando ter de abrir o arquivo para saber o que tem nele.

Windows Touch

Falei que os ícones do Windows 7 estão visualmente mais bonitos e, principalmente, maiores. Isso se dá para melhorar a usabilidade em telas sensíveis ao toque, tecnologia que estará cada vez mais presente nos computadores e monitores vendidos no mercado. O efeito “iPhone” despertou nas pessoas o desejo por dispositivos controlados com o uso direto das mãos.
O recurso de sensibilidade é multiponto, ou seja, ele percebe o toque em diversos pontos da tela ao mesmo tempo, possibilitando funcionalidades como aumentar e reduzir imagens, como ocorre no smartphone da Apple.

Mudanças técnicas

São muitas as mudanças técnicas presentes no Windows 7. Vou apenas pincelar esse tópico, mas ele será certamente aprofundado em outras colunas, pois aqui moram a grandes vantagens do novo sistema operacional.
O recurso de central de segurança presentes no Windows XP e Vista foi removido do Windows 7. Um novo serviço, que agrega diversas funcionalidades, foi criado em sua substituição: é o Action Center.

Foto: Reprodução

Action Center permite um controle centralizado e mais organizado dos aplicativos de segurança, controle de usuários e atualizações do sistema. (Foto: Reprodução )

Em bom português: A central de ações agrega uma série de aplicações presentes no Windows Vista, como a Central de Contas do Usuário, que gera uma série de notificações de segurança – amplamente gerenciáveis no Windows 7. Também agrega o Windows Update, Firewall, Programa Antivírus e a Central de Cópias de Segurança, entre outros aplicativos.
Com isso, a Microsoft quer unificar todas as notificações do sistema em um único ambiente, evitando aquelas irritantes telas de autorização presentes no Windows Vista, que assustavam o usuário com questionamentos sobre liberação de recursos ou aplicativos.
Entrando na ferramenta > Control Panel > System and Security > Action Center, o sistema exibe uma lista de tudo que precisa ser feito no sistema, separando por nível de severidade. O que antes ficava espalhado em diversas ferramentas fica centralizado em uma única tela.

Versões e preços

O Windows 7 será comercializado em cinco versões: Starter, Home Basic, Home Premium, Professional e Ultimate. A versão Home Basic tem como foco computadores mais limitados. A versão Ultimate chega a ter um pacote com 35 idiomas, possibilitando ao usuário alternar o idioma do sistema, coisa que nunca foi possível no Windows. A versão starter é focada em ultra portáteis, como os netbooks.

saiba mais


Os preços sugeridos giram entre US$ 200 e US$ 350 aproximadamente. O que leva a crer que o novo sistema operacional chegará com um preço salgado aqui no Brasil. A previsão de lançamento do Windows 7 é ainda este ano. Segundo o Site da Microsoft, serão disponibilizados kits de atualização para usuários do Windows Vista qualificados (que receberam uma qualificação da empresa) a partir de 22 de outubro.

Pontos negativos

Painel de Controle: O "modo clássico", que exibia os ícones da mesma maneira que o Windows XP está, por conta da quantidade de ícones, bastante poluída visualmente. Isso não chega exatamente a ser um problema, embora os mais entusiastas possam notar a diferença.
Indexação: O recurso de indexar arquivos para que a busca seja mais rápida ganhou uma pequena melhora em relação ao Windows Vista. O benefício trazido, no entanto, talvez não compense o consumo de recursos do sistema, sobretudo de bateria em usuários de laptops.
Apesar do sistema não iniciar muitos serviços, melhorando o desempenho, alguns recursos sobem desnecessariamente como suporte a Tablet PCs e compartilhamento de rede. Porem, é possível desabilitar esses recursos para economizar melhorar o desempenho do sistema.

Considerações finais

Eu gostei do novo sistema. Ele pareceu ser estável e melhor organizado em relação ao Vista. O custo de aquisição da licença é salgado, principalmente se pensarmos em computadores populares vendidos aos montes atualmente no Brasil, gerando uma onda de massificação da internet e aumentando a inclusão digital.
Não acredito que o Windows 7 irá mudar as condições do mercado (participação da Microsoft) ou mesmo barrar o crescimento de sistemas como o Linux, que tem sua importância e relevância, principalmente no mercado de netbooks, pois seu desempenho nestes superportáteis bate qualquer versão do Windows.
Colaborou com esta coluna Thiago Guedes, Analista de Sistemas graduado em Ciências da Computação e especialista em internet. 

* Fernando Panissi é especialista em tecnologia e internet, formado em Sistemas de Informação com extensão em gestão. É professor universitário e ministra cursos de extensão em desenvolvimento de sistemas. Vive a internet e suas excentricidades desde 1995 e, nesta coluna, irá compartilhar suas experiências e conhecimentos sobre os mais variados temas ligados à internet, computação e tecnologia. Também tira as dúvidas deixadas pelos leitores na seção de comentários.

W.S

Anúncios

MOBILIDADE PARA TODOS

17 de agosto de 2009

Hoje vimos à evolução dos aparelhos e crescentes necessidades de serviços ligados à internet fazem que os smartphones deixem de ser equipamentos de executivos para cair no gosto popular. Percebemos que a tecnologia vem cresendo assustadoramente e vem crescendo de uma maneira estrondoza. Podemos ver pelas tecnologia contidas em cada aparelho. Maiores informações de Smartphone acesse o site do Olhar digital.

http://olhardigital.uol.com.br/central_de_videos/video_wide.php?id_conteudo=8937&/SMARTPHONE+OU+CELULAR

Dicas: Proteja suas informações bancárias!

Por Igor Pankiewicz
terça-feira, 11 de novembro de 2008

Saiba como acessar suas contas de banco de forma segura.

Pensando em aderir à onda virtual e em começar a acessar sites de bancos, lojas e outros serviços, mas teme pela segurança da sua conta e do seu cartão de crédito? Então confira o que você deve — ou não — fazer para que tudo corra bem.

As seguintes dicas são mais focadas ao acesso de sites de bancos (em especial ao Banco do Brasil), no entanto podem ser aplicadas para quaisquer outros que envolvam operações financeiras e trocas de dados pessoais — caso das grandes lojas virtuais, como Mercado Livre, Buscapé, Americanas.com e Submarino.

O básico: Antivírus

O mercado está repleto deles e se você não puder pagar por uma licença de um Norton, por exemplo, fique tranqüilo: existem muitos outros gratuitos, extremamente leves e que oferecem um elevado nível de proteção. Bons exemplos de alternativas são o Avira, Avast e AVG, populares entre os usuários do Baixaki.

Logos dos Antivirus.

Com algum deles instalado no seu computador, verifique se:

1.    A proteção residente (ou ativa) está ligada para verificar constantemente os arquivos executados.

2.    O antivírus está devidamente registrado com a central de segurança do Windows (essa informação pode ser conferida através do Menu Iniciar, Painel de controle, Central de Segurança). Se tudo estiver de acordo, a proteção contra malwares estará em verde, ao contrário do exibido na imagem abaixo.

Verifique se a sua tela NÃO fica assim!

3.    O seu banco de dados está atualizado. Todos os antivírus listados buscam estas atualizações automaticamente, você só precisa ter uma conexão de internet ativada.

Registrando sua senha

Evite pontos de acesso público para não comprometer seus dados.

Antes de obter acesso à sua conta, alguns dos bancos requerem que você registre senhas de entrada e também o seu computador (para transações financeiras) através de códigos específicos. Eles podem ser cadastrados por caixas eletrônicos ou ainda com o auxílio dos atendentes nas agências.

Caso tenha dúvidas com relação ao procedimento, entre em contato pelo telefone ou dirija-se à agência mais próxima.

Apenas de locais confiáveis

Se o seu computador de casa já pode oferecer ameaças à sua segurança — devido ao acesso constante de Internet, download de arquivos suspeitos, links espiões em redes sociais e e-mails com vírus — imagine uma máquina de acesso público!

Portanto, se proteja. Evite ao máximo acessar as suas contas de bancos em LAN Houses, CyberCafés e outros locais, nos quais mais de uma pessoa tem acesso ao computador em questão.

O perigo da caixa de entrada – Phishing parte I

A não ser quando solicitados, os bancos nunca enviarão e-mails a respeito de informações cadastrais. Se receber algum requisitando atualizações de senhas (ou de qualquer outra natureza), apague-o imediatamente e entre em contato com o banco.

De uma forma geral, estas mensagens são enviadas por hackers e ladrões. É justamente através de mensagens falsas e páginas clonadas (conforme descritas abaixo) que a maioria dos golpes ganha forma.

A modalidade é conhecida como Phishing, vindo diretamente da palavra “Fish” — pescar, em inglês — e aplicando o conceito de “pescar” informações dos usuários, tais como senhas e informações confidenciais.

Confira a barra de endereços do navegador – Phishing parte II

Ao entrar no site, digite sempre o endereço padrão da página, como http://www.bb.com.br, para o Banco do Brasil. É comum que você seja direcionado a páginas internas com terminação diferente, no entanto, o endereço principal deve sempre seguir padrões similares ao original.

Novamente, alterações maiores podem significar que o site não é original, constituindo outra modalidade de Phishing. Vale ressaltar que alguns navegadores, como o Internet Explorer mais recente, já possuem filtros especializados em detectar tais fraudes.

Outra dica essencial: quando você digitar seu número de conta e agência e passar para a próxima tela, um cadeado aparecerá na barra de status do navegador ou logo ao lado do endereço e o HTTP:// se transformará em HTTPS://, significando que há um protocolo de segurança em ação.

O cadeado tem que aparecer!

Querendo verificar as informações mais afundo, apenas dê dois cliques sobre este cadeado.

De olho no teclado virtual

Como medida preventiva, todos os bancos utilizam teclados virtuais (baseados em Java, lembre-se de instalá-lo!) para a digitação de senhas. Eles possuem ajustes de contraste e podem, inclusive, mudar aleatoriamente a cada seleção. Este procedimento é crucial para evitar que algum programa espião (Spyware) colete seus dados durante a digitação e reforça a sua segurança.

Tecaldo virtual do Banco do Brasil.

Caso suspeite de algo, experimente minimizar a janela do navegador, se o teclado permanecer na tela é porque ele não pertence ao sistema do site! Feche seu navegador imediatamente e verifique os programas que estão rodando pressionando as teclas Ctrl+Alt+Delete.

Finalizando o procedimento

Sempre que acabar de verificar suas informações ou que completar as transações e desejar sair da página do banco, não clique diretamente sobre o botão “Fechar”, da janela do navegador.

Busque sempre a opção “Sair”, dentro da página. Ela funciona exatamente como a opção “Logoff” no Windows, ou em sites de e-mails, quebrando completamente o seu acesso ao site. Desta forma ninguém poderá restaurar a janela do navegador e obter, acidentalmente, acesso aos seus dados.

Sempre vá para

As principais dicas são estas. Com um pouco de cautela com relação aos sites que você acessa e ao conteúdo que você baixa e instala na sua máquina, dificilmente problemas surgirão com o acesso da sua conta de banco.

E vale lembrar: nunca clique em links de natureza suspeita, principalmente com terminações “.exe”, em sites de redes sociais — como Orkut e Gazzag — ou em programas de conversa, como o MSN.

Informações retirada do site www.baixaki.com.br